domingo, 8 de junho de 2014

livro Mulher Rica

Kim Kiyosaki


Kim Kiyosaki começou a sua carreira profissional na publicidade e lançou o seu primeiro empreendimento em 1984. Desde então, ela e o marido, Robert Kiyosaki, constituíram diversas empresas bem-sucedidas, sendo a última delas - em sociedade com Sharon Lechter - a The Rich Dad Company, mais conhecida em função do best-seller Pai Rico, Pai Pobre. A sua carreira de investidora inicia-se em 1989. Depois do primeiro, ela não demorou a perceber que os investimentos seriam o seu caminho para a liberdade. Mulher de negócios e investidora sagaz, a paixão de Kim é ensinar às mulheres a importância de investir e assumir o controle do próprio futuro financeiro.



Boliviana constrói casas de garrafas para famílias em situação de extrema pobreza




Ingrid Vaca Diez, boliviana nascida e criada na cidade de Warnes, em Santa Cruz, colocou em prática uma ideia com a qual sonhava desde que era uma niña (criança, em espanhol). Fundadora e idealizadora do Casas de Botellas, projeto que constrói moradias para famílias em situação de extrema pobreza utilizando garrafas pet, ela conta com um misto de orgulho e animação que já ajudou a construir mais de 300 casas na Bolívia e em países vizinhos. Em passagem pelo Brasil, Ingrid conversou com PLANOsobre a iniciativa e não escondeu sua vontade de implantar a ideia no maior país da América Latina.

MAIS EM: http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/05/boliviana-constroi-casas-de-garrafas-para-familias-em-situacao-de-extrema-pobreza

Apartamentos lindos de se ver...

Ap. da Fran do Morando Sozinha





Ap. da Taci e do Fer



Lindos demais!!!!

quarta-feira, 21 de maio de 2014

SITE QUE ADORO !!!

Neste post vou recomendar um site que eu adoroooo

http://morandosozinha.com.br/


Eu AMEIIII este modelo de luzes com bolinhas, já estou providenciando o meu.
Não deixe de conferir os outros projetos dela...

CURIOSIDADES DO MEIO LITERÁRIO...*



*O escritor **Wolfgang Von Goethe* *escrevia em pé. Ele mantinha em sua
casa uma escrivaninha alta.*

*O escritor **Pedro Nava* *parafusava os móveis de sua casa a fim que
ninguém os tirasse do lugar.*

*Gilberto Freyre* *nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar
sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o
mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.*

*Euclides da Cunha**, Superintendente de Obras Públicas de São Paulo, foi
engenheiro responsável pela construção de uma ponte em Sà£o José do Rio
Pardo (SP). A obra demorou três anos para ficar pronta e, alguns meses
depois de inaugurada, a ponte simplesmente ruiu. Ele não se deu por vencido
e a reconstruiu. Mas, por via das dúvidas, abandonou a carreira de
engenheiro.*

*Machado de Assis**, nosso grande escritor, ultrapassou tanto as barreiras
sociais bem como físicas. Machado teve uma infância sofrida pela pobreza e
ainda era míope, gago e sofria de epilepsia. Enquanto escrevia Memà³rias
Póstumas de Brás Cubas, Machado foi acometido por uma de suas piores crises
intestinais, com complicações para sua frágil visão. Os médicos
recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem
redigir, ditou grande parte do romance para a esposa, Carolina.*

*Graciliano Ramos* *era ateu convicto, mas tinha uma Bíblia na cabeceira só
para apreciar os ensinamentos e os elementos de retórica. Por insistência
da sogra, casou na igreja com Maria Augusta, católica fervorosa, mas exigiu
que a cerimônia ficasse restrita aos pais do casal. No segundo casamento,
com Heloísa, evitou transtornos: casou logo no religioso.*

*Aluísio de Azevedo* *tinha o hábito de, antes de escrever seus romances,
desenhar e pintar, sobre papelão, as personagens principais mantendo-as em
sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.*

*José Lins do Rego* *era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do
Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano,
em 1953.*

*Aos dezessete anos, **Carlos Drummond de Andrade* *foi expulso do Colà©gio
Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o
professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros.
Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou.
Tinha a mania de picotar papel e tecidos. "Se não fizer isso, saio matando
gente pela rua". Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto.
"Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado.
Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha."*

*Numa das viagens a Portugal, **Cecília Meireles* *marcou um encontro com o
poeta Fernando Pessoa no café A Brasileira, em Lisboa. Sentou-se ao
meio-dia e esperou em vão até as duas horas da tarde. Decepcionada, voltou
para o hotel, onde recebeu um livro autografado pelo autor lusitano. Junto
com o exemplar, a explicação para o "furo": Fernando Pessoa tinha lido seu
horóscopo pela manhã e concluído que não era um bom dia para o encontro.*

*Érico Veríssimo* *era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando,
também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta
que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estaà§ão final.*

*Clarice Lispector* *era solitária e tinha crises de insônia. Ligava para
os amigos e dizia coisas perturbadoras. Imprevisível, era comum ser
convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.*

*Monteiro Lobato** adorava café com farinha de milho, rapadura e ià§á
torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico
Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor.
Também tinha mania de consertar tudo. "Mas para arrumar uma coisa, sempre
quebrava outra."*

*Manuel Bandeira* *sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos
dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?"
Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na
velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para
impressionar os amigos. Foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do
Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo
costas.*

*Guimarães Rosa**, médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não
constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que
viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim,
galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou
abandonando a profissão. "Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver
sangue", conta Agnes, a filha mais nova.*

*Mário de Andrade* *provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era
muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês
descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.*

*Vinicius de Moraes**, casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava
num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para aguentar
o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água
para ter sensação refrescante na boca.*

*José Lins do Rego* *foi o primeiro a quebrar as regras na ABL, em 1955. Em
vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva
não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.*

*Jorge Amado* *para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs
que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os
jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes."
Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia
apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer,
encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então.*

*O poeta **Pablo Neruda* *colecionava de quase tudo: conchas, navios em
miniatura, garrafas e bebidas, máscaras, cachimbos, insetos, quase tudo que
lhe dava na cabeça.*

*Vladimir Maiakóvski* *tinha o que atualmente chamamos de Transtorno
Obsessivo-compulsivo (TOC). O poeta russo tinha mania de limpeza e
costumava lavar as mãos diversas vezes ao dia, numa espécie de ritual
repetitivo e obsessivo.*

*A preocupação excessiva com doenças fazia com que o escritor de origem
tcheca **Franz Kafka* *usasse roupas leves e só dormisse de janelas abertas
para que o ar circulasse -, mesmo no rigoroso inverno de Praga.*

*O escritor norte-americano **Ernest Hemingway* *passou boa parte de sua
vida tratando de problemas de depressão. Apesar da ajuda especializada, o
escritor foi vencido pela tristeza e amargas crônicas. Hemingway deu fim à
própria vida com um tiro na cabeça.*

*http://saber-literario.blogspot.com.br/2013/04/curiosidades-do-meio-literario.html

Um pouco sobre o Método GTD

Este método eu descobri no site VIDA ORGANIZADA, desde então tenho aplicado na minha vida e tem me ajudado muito:


As explicações aqui:
http://vidaorganizada.com/produtividade/utilizando-a-agenda-de-forma-organizada/

http://vidaorganizada.com/produtividade/rotina-diaria-no-gtd-foco-na-execucao/

Vale muito a pena utilizar este método, organizando a vida por setores...

E também conheça o blog da Thais, um verdadeiro achado:  http://vidaorganizada.com/

sábado, 8 de março de 2014

amizade

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade
que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite
que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem
intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido
todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os
meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o
quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer
o quanto gosto deles.Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão
incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não
declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de
como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu
equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu,
tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto
pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida
ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma
lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ...

Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da
vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando
comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e,
principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que
são meus amigos!

A gente não faz amigos, reconhece-os."

(Vinícius de Moraes)
*